Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina

terça-feira, 18 de março de 2008

Motor e Transmissão do Chevette - Características Técnicas

Texto Extraído do Site: Chevettemaniac

TRANSMISSÃO

Motor longitudinal com tração traseira transmitida por cardã.

Fixa Técnica
Câmbio mecânico de 4 marchas 1ª) 3,746:1; 2ª) 2,157:1; 3ª) 1,378:1; 4ª) 1,000:1; Ré) 3,815:1; Diferencial) 4,100:1.
Câmbio mecânico de 5 marchas (1.6) 1ª) 3,746:1; 2ª) 2,157:1; 3ª) 1,378:1; 4ª) 1,000:1; 5ª) 0,840:1; Ré) 3,815:1; Diferencial) 4,110:1 (Chevy 500), 3,900:1 (restante da linha).
Câmbio mecânico de 5 marchas (1.0) 1ª) 4,280:1; 2ª) 2,310:1; 3ª) 1,480:1; 4ª) 1,000:1; 5ª) 0,900:1; Ré) 3,815:1; Diferencial) 4,880:1.
Câmbio automático de 3 marchas 1ª) 2,400:1 ; 2ª) 1,480:1 ; 3ª) 1,000:1 ; Ré) 1,920:1 ; Diferencial) 3,900:1 (Chevy 500), 3,540:1 (restante da linha).

No princípio somente o câmbio de 4 marchas era disponível, mas a chegada do motor 1.6 fez surgir a necessidade por uma quinta marcha, que o motor "pedia".
Em 83 o câmbio de 5 marchas passou a ser de série. Os engates eram precisos e macios, mas a distância entre as posições da alavanca prejudicavam as trocas rápidas. As relações eram adequadas, somente a 3ª era um pouco longa, fazendo com que o motor demorasse para "encher".
O câmbio do Junior tinha relações mais curtas das três primeiras marchas e do diferencial, para compensar o menor torque do motor. Isso era claramente demonstrado pelo ruído característico do motor, que denunciava a sua operação sempre em rotações altas.
Entre 85 e 90 houve a opção do câmbio automático, com pequena aceitação pelo mercado.
A tração era traseira. Se por um lado o motor longitudinal e o cardã roubavam espaço, por outro a tração traseira proporcionava maior estabilidade e controle nas curvas, e a própria presença do túnel do cardã (que na estrada costumava aquecer) dava um toque de esportividade: ponto para o prazer em dirigir em detrimento da racionalidade.
A tração traseira era ainda uma vantagem para a Chevy 500, pois permite maior eficiência quando carregada, sobretudo em terrenos difíceis. Tanto que a tração traseira é uma unanimidade entre as caminhonetes de maior porte.

SUSPENSÃO

Dianteira - Independente com braço triangular superior, braço simples inferior, barra estabilizadora a partir de 1983, molas helicoidais e amortecedores hidráulicos telescópicos.
Traseira - Eixo rígido, braços tensores longitudinais, barra transversal Panhard, molas helicoidais e amortecedores hidráulicos telescópicos.
A suspensão era bem calibrada e não sofreu grandes modificações ao longo do tempo.
O carro era estável, difícil de desgarrar, mas o eixo rígido traseiro sacolejava em curvas com piso irregular, transmitindo falsa sensação de insegurança.

chevettemaniac

DIREÇÃO

A direção era precisa. Era capaz de esterçar mais do que a de qualquer outro carro, o que favorecia as manobras em espaços restritos.

Fixa técnica
Tipo Mecânica, pinhão e cremalheira.
Câmber -0°15' a +1°15'
Cáster 3° a 4°30'
Convergência 2,5 mm a 4,5 mm ou 0°25' a 0°45'

MOTOR

O Chevette foi lançado no ano de 1973, com motor 1.4 a gasolina, que foi o primeiro montado no Brasil a ter comando de válvulas no cabeçote acionado por correia dentada. No ano de 1980, ele recebeu uma versão a álcool, com ignição eletrônica de série (opcional no modelo a gasolina a partir de 1982).

Ficha técnica do motor 1.4 a gasolina (bloco azul)

Características básicas:

Dianteiro, longitudinal, quatro cilindros em linha, quatro tempos, refrigerado a água, duas válvulas por cilindro, comando de válvulas simples no cabeçote acionado por correia dentada.

Diâmetro e curso dos cilindros:

82 x 66,2 mm

Cilindrada:

1398 cm³

Ordem de ignição

1-3-4-2

Taxa de Compressão:

7,8:1

Potência máxima:

65 cv SAE* a 5800 rpm

Torque máximo:

10,3 mkgf SAE a 3000 rpm

Alimentação:

Carburador simples de fluxo descendente.

chevettemaniac

Ficha técnica do motor 1.4 a álcool

Características básicas:

Dianteiro, longitudinal, quatro cilindros em linha, quatro tempos, refrigerado a água, duas válvulas por cilindro, comando de válvulas simples no cabeçote acionado por correia dentada.

Diâmetro e curso dos cilindros:

82 x 66,2 mm

Cilindrada:

1398 cm³

Ordem de ignição

1-3-4-2

Taxa de Compressão:

10,5:1

Potência máxima:

69 cv SAE* a 5800 rpm

Torque máximo:

10,4 mkgf SAE a 3000 rpm

Alimentação:

Carburador de corpo duplo.

Em 1980, foi lançado o motor 1.6 a gasolina como opcional para as versões Hatch e Marajó. Em 1981, foi lançado o Chevette Hatch S/R, uma versão esportiva já com motor 1.6, cuja versão foi descontinuada em 1982. A partir de 1982, somente o Chevette SL Faixa Preta, nas versões Sedan, Hatch e Marajó, já vinha de fábrica com motor 1.6. A versão Standard e L do Chevette, ainda eram produzidas com motor 1.4. Em 1983, o motor 1.6 recebeu a opção do álcool e, estendeu-se para toda a linha Chevette, já com câmbio de 5 marchas (o 1.4 nesse ano deixou de estar disponível no mercado brasileiro, sendo produzido apenas para unidades destinadas à exportação). Este motor usou carburador de corpo duplo até 1983, a partir de 1984 passou a usar carburador simples, que persistiu até 1987, quando o motor passou por uma reformulação.

Ficha técnica do motor 1.6 a gasolina(bloco vermelho)

Características básicas:

Dianteiro, longitudinal, quatro cilindros em linha, quatro tempos, refrigerado a água, duas válvulas por cilindro, comando de válvulas simples no cabeçote acionado por correia dentada.

Diâmetro e curso dos cilindros:

82 x 75,7 mm

Cilindrada:

1599 cm³

Ordem de ignição

1-3-4-2

Taxa de Compressão:

7,8:1

Potência máxima:

76 cv SAE* a 5800 rpm

Torque máximo:

10,8 mkgf SAE a 3600 rpm

Alimentação:

Carburador duplo entre 80 e 83 e carburador simples de fluxo descendente de 84 a 87.

chevettemaniac

Ficha técnica do motor 1.6 a álcool

Características básicas:

Dianteiro, longitudinal, quatro cilindros em linha, quatro tempos, refrigerado a água, duas válvulas por cilindro, comando de válvulas simples no cabeçote acionado por correia dentada. Sistema de Ignição Eletrônica

Diâmetro e curso dos cilindros:

82,0 x 75,7 mm

Cilindrada:

1599 cm³

Ordem de ignição

1-3-4-2

Taxa de Compressão:

12,0:1

Potência máxima:

72,0 cv a 5600 rpm.

Torque máximo:

(12,3 mkgf) a 3200 rpm

Alimentação:

Carburador de corpo simples e corpo duplo (opcional).

Em 1987, o motor 1.6 passou por uma reformulação que incluiu a redução do peso dos pistões em 92g e das bielas em 83g; um novo carburador de corpo duplo com o segundo estágio acionado somente em altas rotações (diferentemente daqueles de 1980 à 1983); e, um novo desenho para o coletor de admissão, o que reduziu a perda de carga dos gases de alimentação. Então, ele passou a ser denominado 1.6/S (já pertencente à linha Chevette 1988).

chevettemaniac

Ficha técnica do motor 1.6/S a álcool (bloco cinza)

Características básicas:

Dianteiro, longitudinal, quatro cilindros em linha, quatro tempos, refrigerado a água, duas válvulas por cilindro, comando de válvulas simples no cabeçote acionado por correia dentada.

Diâmetro e curso dos cilindros:

82 x 75,7 mm

Cilindrada:

1599 cm³

Ordem de ignição:

1-3-4-2

Taxa de Compressão:

12:1

Potência máxima:

82 cv ABNT a 5200 rpm

Torque máximo:

12,8 mkgf ABNT a 3200 rpm

Alimentação:

Carburador de corpo duplo com o segundo estágio acionado somente em altas rotações.


Ficha técnica do motor 1.6/S a gasolina (bloco cinza)

Características básicas:

Dianteiro, longitudinal, quatro cilindros em linha, quatro tempos, refrigerado a água, duas válvulas por cilindro, comando de válvulas simples no cabeçote acionado por correia dentada.

Diâmetro e curso dos cilindros:

82 x 75,7 mm

Cilindrada:

1599 cm³

Ordem de ignição

1-3-4-2

Taxa de Compressão:

8,5:1

Potência máxima:

73 cv ABNT a 5200 rpm

Torque máximo:

12,6 mkgf ABNT a 3200 rpm

Alimentação:

Carburador de corpo duplo com o segundo estágio acionado somente em altas rotações.

Em 1992, a GMB lançou o Chevette Junior, impressionada com o inesperado sucesso do Uno Mille. Para aproveitar os incentivos fiscais oferecidos na época para veículos com cilindrada menor que 1000 cm3, o conhecido motor passou a contar com uma versão de diâmetro e curso dos cilindros menores, resultando na redução da capacidade cúbica. Por razões de mercado, a nova versão foi descontinuada cerca de um ano depois, em 1993, ano no qual, a GMB passou a produzir somente o Chevette L, com motor 1.6/S nas versões: gasolina e álcool.

Ficha técnica do motor 1.0 a gasolina

Características básicas:

Dianteiro, longitudinal, quatro cilindros em linha, quatro tempos, refrigerado a água, duas válvulas por cilindro, comando de válvulas simples no cabeçote acionado por correia dentada.

Diâmetro e curso dos cilindros:

76x55 mm

Cilindrada:

998 cm³

Ordem de ignição

1-3-4-2

Taxa de Compressão:

8,5:1

Potência máxima:

50 cv ABNT a 6000 rpm

Torque máximo:

7,2 mkgf ABNT a 3500 rpm

Alimentação:

Carburador de corpo simples.

Observação: A potência dos motores mais antigos, está especificada de acordo com medições que seguiram as normas da SAE (que consideram a potência bruta), enquanto a dos mais novos está especificada de acordo com as normas da ABNT (que consideram a potência líquida). Em média, o valor numérico da potência segundo as normas da ABNT fica entre 25 e 30% menor que o valor da medição SAE.

FONTE: Desconhecida

2 comentários:

Deusnir disse...

Cara estou procurando o diferencial do chevette hidramatico sera que posso encontrar?

POWER NET LAN HOUSE disse...

eu não entendo o meu chevette é de 1986 16.l alcool mais não acho em lugar nenhum a ficha tecnica desse motor tipo cor etc...alguem pode me explicar?